Building peace in the minds of men and women

Ideias

Construir vidas novas, usando tecnologia móvel

cou_04_18_mobile_web.jpg

Ilustração da capa do livro "A Lifeline to Learning: leveraging technology to support education for refugees", publicado pela UNESCO, apenas em inglês, em 2018.

O caso de Moujahed Akil, um refugiado sírio na Turquia, destaca o fato de que práticas de aprendizagem móveis são mais bem conduzidas de dentro das comunidades para atender às necessidades reais, o desenvolvimento sustentável, capacitar membros e maximizar o impacto.

 

Christoph Pimmer e Fan Huhua

Quando Moujahed Akil fugiu da Síria em setembro de 2012, por medo de ser preso, um dos maiores desafios que encontrou na Turquia, seu país anfitrião, foi não ser capaz de se comunicar com as pessoas de lá. 

“Não saber a língua foi muito difícil, porque eu sequer podia discutir os aspectos mais básicos e necessários para começar uma vida nova na Turquia”, lembra ele. “Por exemplo, fui ao prédio do governo, onde ninguém falava árabe, e tivemos que usar nossas mãos e pés para nos entendermos”. Mais tarde, quando Akil adquiriu um telefone celular, ele começou a usar um aplicativo de tradução para encontrar informações relevantes à sua situação, e para preencher formulários que havia fotografado anteriormente.

Akil, que era estudante de ciência da computação e informação e técnico da informação (TI) autônomo em Alepo, usou suas habilidades em codificação para conseguir um emprego em uma empresa de tecnologia. Com a ajuda de seus colegas e amigos turcos, ele aprendeu a língua em pouco tempo. Ele também aprendeu programação para telefones celulares. Sua própria experiência inicial como refugiado o inspirou a começar a trabalhar em um aplicativo de smartphone para ajudar os sírios a obter todas as informações práticas e legais necessárias sobre questões de reassentamento e para construir vidas novas na Turquia. 

Em janeiro de 2014, Akil fundou sua própria empresa, a  Namaa Solutions, com um amigo. Sediada em Gaziantep, na Turquia, a cerca de 40 quilômetros da fronteira com a Síria, a companhia startup aproveita suas habilidades técnicas e empreendedoras para desenvolver soluções digitais e móveis para atender às necessidades de outros refugiados sírios.

Atender às necessidades é fundamental

Fundar a empresa apresentou dificuldades próprias: “A falta de financiamento e de um modelo sustentável foram grandes desafios”, explica Akil. Contudo, complementa, “atender às necessidades é um fator fundamental para o sucesso. Os refugiados sírios na Turquia querem essa informação, e agora eles as têm na ponta de seus dedos”. A pequena empresa cresceu rapidamente, emprega uma equipe de 25 pessoas, e os downloads do aplicativo continuam a crescer. Com 3,5 milhões de refugiados sírios na Turquia, segundo dados divulgados em 2018 pelo ACNUR, a Agência das Nações Unidas para os Refugiados e o Governo da Turquia, isso pouco surpreende.

Cerca de 94% desses refugiados vivem foram dos acampamentos de refugiados, à sua própria sorte, principalmente nas grandes cidades. O aplicativo Gherbtna (“Nossos Expatriados”, em árabe) da Namaa Solutions os ajuda a navegar pelos obstáculos para acessar instalações básicas, como saúde e educação. O aplicativo oferece várias ferramentas, incluindo Vídeos, Leis, Encontre um emprego, Alertas e Pergunte-me, fornecendo respostas para tudo, desde aconselhamento jurídico e como abrir uma conta bancária, passando por oportunidades de moradia e emprego, e até mesmo uma lista de especialistas médicos. “Nosso maior objetivo é alcançar todos os refugiados em todo o mundo com o aplicativo”, diz Akil.

De acordo com dados de junho de 2018 divulgados pelo ACNUR, o mundo está testemunhando os mais elevados níveis de deslocamento já registrados. De um número sem precedentes de 68,5 milhões de pessoas que foram deslocadas à força em todo o mundo, há cerca de 25,4 milhões de refugiados, dos quais mais da metade tem menos de 18 anos. 

“Muitos sírios são estudantes que desejam continuar seus estudos em escolas e universidades turcas, e essa é a razão de a educação ser a categoria mais relevante no aplicativo Gherbtna”, diz o empreendedor de 29 anos. O aplicativo fornece informações sobre escolas e universidades em que os refugiados sírios podem continuar seus estudos e lista os requisitos e as certificações necessárias para inscrição. A segunda categoria mais popular é a de informações sobre leis e regras a serem seguidas durante o processo de integração. Depois dessas duas categorias, o elemento mais popular do aplicativo é o recurso Minha história, que é uma plataforma na qual histórias pessoais sobre refugiados sírios e suas vidas diárias podem ser compartilhadas.

Transposição de uma barreira

Percebendo a enorme barreira causada pela língua, e tendo vivenciado isso, Akil lançou o Tarjemly Live (“Traduza para Mim” em árabe) em 2016. Por uma pequena taxa (uma lira turca, ou US$ 0,21 por minuto), o aplicativo conecta o usuário a um tradutor humano, que muitas vezes são refugiados sírios com habilidades mais avançadas na língua turca. Dessa forma, a Namaa Solutions também está gerando empregos para o povo turco com habilidades na língua árabe. Estatísticas de uso online no primeiro ano de operação mostraram que 77 intérpretes autônomos traduziram mais de 37 mil palavras em 17 mil minutos, usando ligações e textos. Com o tempo, mais de 1,5 mil entradas de texto e vídeo foram desenvolvidas para o aplicativo, abrangendo uma ampla gama de tópicos.

Para complementar o aplicativo, o Gherbtna tem um site e uma página no Facebook. “A página no Facebook é um componente muito forte do aplicativo, que nos permite interagir diretamente com nossos usuários”, explica Akil.

O espírito inovador do Akil não diminuiu. Os novos projetos incluem um sistema de gestão e conteúdo interativo de aprendizagem para os refugiados sírios. Outro projeto é o buy4impact.com, uma plataforma de comércio que ajuda os sírios a venderem produtos artesanais para o mercado internacional.

Com este artigo, O Correio da UNESCO marca a celebração do Dia Internacional dos Migrantes, 18 de dezembro.

A inspiradora história de Akil é apresentada no relatório da UNESCO, A lifeline to learning: Leveraging technology to support education for refugees. Publicado em março de 2018, ele faz um balanço dos artigos, relatórios e projetos existentes sobre a aprendizagem assistida por tecnologia na educação de refugiados para analisar os desafios enfrentados pelos refugiados.

Christoph Pimmer

A researcher and lecturer at the University of Applied Sciences and Arts Northwestern Switzerland FHNW, Christoph Pimmer (Austria) specializes in digital learning and knowledge management in education contexts. He has co-authored the UNESCO publication, A lifeline to learning: Leveraging technology to support education for refugees, in 2018. 

Fan Huhua

Administradora de projeto associada da Unidade da UNESCO para Tecnologias da Informação e Comunicação, Fan Huhua (China) promove a implementação do projeto UNESCO-Fundo Fiduciário Grupo Weidong, visando a alavancar as TIC para alcançar a Educação 2030.