Building peace in the minds of men and women

Editorial

A educação transforma vidas

Em época de tensões mundiais acirradas, quando os direitos humanos, a liberdade de expressão, a paz e o próprio futuro do planeta talvez pareçam mais ameaçados do que nunca, o poder transformador da educação é de importância crucial.

Na obra Educação: um tesouro a descobrir, o histórico relatório para a UNESCO elaborado em 1996 pela Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI, Jacques Delors, então diretor da Comissão (de 1992 a 1996), referiu-se à educação como “a utopia necessária” e “um bem indispensável em sua tentativa de alcançar os ideais de paz, liberdade e justiça social”.

A educação foi considerada não como milagre ou magia, mas sim como a melhor maneira de propiciar uma atmosfera de melhorias para a humanidade, em que seria estimulado o rico potencial de aprendizado inerente a cada indivíduo.

A nossa humanidade enfrenta um paradoxo bastante estranho: a população mundial nunca foi tão instruída, mas, ainda assim, de acordo com o Instituto de Estatística da UNESCO (UIS), em todo o mundo existem 263 milhões de crianças e jovens fora da escola, 617 milhões de crianças e jovens que não possuem as habilidades mínimas em alfabetização e matemática, pelo menos 750 milhões de adultos analfabetos e as meninas têm uma probabilidade maior do que os meninos de nunca pisar em uma sala de aula. No entanto, a educação ainda é importante para tratar das desigualdades, da pobreza, do terrorismo e dos conflitos. Ela é vista como uma das chaves para a cidadania global e para o desenvolvimento sustentável, dois dos campos de ação da UNESCO. A Organização também tem como mandato liderar a agenda mundial da Educação 2030, com um foco especial em não deixar ninguém para trás.

Com o título Educação: em busca de uma utopia necessária, O Correio da UNESCO avalia o estado da educação mundial e explora como ela responde aos principais desafios que nós enfrentamos.