Building peace in the minds of men and women

Zoom

Educação sequestrada

cou_03_17_zoom_01.jpg

Foto de um menino refugiado sírio, Líbano, julho de 2017. Quase três milhões de crianças da Síria nunca souberam o que é paz e sofrem de distúrbios psicossociais.

Fotos: Diego Ibarra Sánchez / MeMo

Texto:  Katerina Markelova

“O tempo, uma bomba-relógio, é interrompido no exílio e mancha as páginas dos calendários escolares que nunca mais retornarão”. O fotojornalista espanhol Ibarra Sánchez usa essa metáfora para expressar um pensamento que o tem perseguido por muito tempo: o de que a guerra está acabando com o futuro de toda uma geração.

Segundo a UNESCO, apenas a metade das crianças refugiadas e um quarto dos adolescentes refugiados frequentam a escola, ao passo que 28 milhões de crianças que vivem em regiões afetadas por conflitos não vão à escola em absoluto.

Muitas vezes, os efeitos da guerra na educação não são percebidos pelas lentes dos fotógrafos de guerra. Professores são assassinados, escolas são destruídas ou transformadas em bases militares, há um trauma psicológico profundo – e, no fim das contas, a milhões de crianças é negado o acesso à educação. Indo além do sensacionalismo das imagens de guerra, Diego quer mostrar como o futuro de uma “geração perdida” está sendo destruído.

Sua mãe foi professora e, por isso, Diego já tinha consciência dos desafios da educação quando partiu para o Paquistão em 2009, aos 27 anos de idade. Naquela época, o país estava nas garras de uma campanha violenta do Talibã contra o sistema escolar. Foi então que ele lançou o projeto Hijacked Education (Educação Sequestrada), que O Correio destaca nesta seção Zoom.

Em 2014, Diego se mudou para o Líbano, onde ainda vive hoje com sua mulher e seu filho de 2 anos. Ele continuou a desenvolver seu trabalho sobre o tema das escolas em tempos de guerra, e foi para a Síria, para o Iraque e para a Colômbia.

“Infelizmente, esse capítulo ainda não terminou”, afirma Diego. “Isso ainda representa como é a vida em muitas partes do mundo e, por isso, meu projeto continua. Nós consumimos milhões de imagens sem tomar o tempo necessário para digeri-las. Ao passar de uma realidade para a outra, sem pausa, nós nos tornamos ‘turistas’ da dor alheia”, completa ele. Usando a força de seu trabalho como fotógrafo, ele tenta incentivar os “turistas” apressados – que somos nós – a parar para pensar e ajudar a desarmar a bomba-relógio que ameaça tantas das crianças em idade escolar no mundo.


As cicatrizes da guerra.
Uma sala de aula destruída vista através de um buraco na parede, Hasakah, Síria, 13 de abril de 2016.

 
 

Apresentação da associação francesa Clowns Sans Frontières em uma escola libanesa para crianças refugiadas, dezembro de 2014. A metade dos refugiados do mundo são crianças. A maioria deles vive em países em desenvolvimento, onde muitas escolas já têm dificuldades em educar crianças de suas comunidades locais.

 


Um jovem refugiado sírio brinca em um abrigo improvisado erguido em um campo informal nos arredores de Zahlé, no Líbano, em 16 de dezembro de 2016. Mundialmente, o número de pessoas deslocadas atingiu níveis nunca registrados anteriormente.

Em 2015, 65,3 milhões de pessoas foram deslocadas forçosamente. Cinquenta e três por cento dos refugiados são originários da Síria, da Somália ou do Afeganistão.


Um raio de sol ilumina a face de uma aluna refugiada afegã no Paquistão, 2012.

Um raio de sol ilumina a face de uma aluna refugiada afegã no Paquistão, 2012.


Centenas de livros didáticos queimados pelos militantes do ISIS em uma escola em al-Shaddadi (Síria), em abril de 2016. As escolas, assim como os hospitais, estão entre os lugares mais perigosos do país. No entanto, prevê-se a proteção de escolas e hospitais ao abrigo da Convenção relativa às Leis e Costumes da Guerra em Terra, de 1907.

 


Um menino sírio espera a chuva parar em um shopping center perto de Trípoli (Líbano), atualmente ocupado por 300 famílias refugiadas, 2016.
 
O pouco que sabemos sobre pessoas deslocadas diz respeito, sobretudo, aos que vivem em campos, porém, mais da metade de todos os refugiados do mundo estão em áreas urbanas.