Building peace in the minds of men and women

Assuntos Atuais

Prêmios Internacionais de Alfabetização da UNESCO 2017

cou_03_17_news_01.jpg

Formando do Programa AdulTICo, Colômbia.
Por ocasião do Dia Internacional da Alfabetização (8 de setembro), Irina Bokova, diretora-geral da Organização, conferiu cinco Prêmios Internacionais de Alfabetização da UNESCO em uma cerimônia, seguindo as recomendações de um júri internacional.

Os prêmios e a celebração deste ano enfocaram a alfabetização em um mundo digital. Partes interessadas e decisores de todo o mundo se reuniram para avaliar como a tecnologia digital pode ajudar a preencher a lacuna da alfabetização, assim como ajudar as pessoas a terem um melhor entendimento sobre as habilidades necessárias nas sociedades atuais.

Um dos dois Prêmios UNESCO Rei Sejong de Alfabetização − dedicado à educação e à formação em alfabetização em língua materna e patrocinado pela República da Coreia – foi para o Centro para o Estudo de Aprendizagem e Performance (Centre for the Study of Learning & Performance – CSLP) da Concordia University (Canadá). O prêmio foi dado ao projeto Usar a Tecnologia Educacional para Desenvolver Competências Educacionais Essenciais na África Subsaariana, que desenvolve e distribui gratuitamente seus materiais em âmbito internacional. O foco geral do projeto consiste em desenvolver ferramentas e estratégias para beneficiar da educação pré-escolar até a secundária, a educação pós-secundária, serviços sociais e de saúde, e os setores ONG/comunidade. Ele visa a ajudar pessoas que enfrentam barreiras para alcançar seu potencial nos campos pessoal, acadêmico e profissional.

O segundo Prêmio Rei Sejong foi para o Programa Nós Amamos Ler (We Love Reading), da Jordânia, com uma comunidade virtual que oferece treinamento online de leitura em voz alta para pais, mobiliza voluntários para ler em voz alta para crianças em espaços comunitários e oferece materiais adequados às diferentes faixas etárias por meio de uma biblioteca digital. Após trabalhar em bibliotecas públicas nos Estados Unidos, sua fundadora, Rana Dajani, percebeu a urgência de se construir bibliotecas na Jordânia – com o objetivo de ter “uma biblioteca em cada bairro”. O programa também lançou um projeto no campo de refugiados sírios de Za’atari, no norte da Jordânia, que forma voluntários para se tornarem contadores de histórias para crianças.  

As três premiações do Prêmio UNESCO-Confucius de Alfabetização, apoiado pelo governo da China, reconheceram o trabalho que beneficia populações rurais e jovens fora da escola, principalmente meninas e mulheres. Os vencedores deste ano foram: o Programa AdulTICo da Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação da cidade de Armênia (Colômbia), por ensinar competências digitais para idosos; a Fundação dos Cidadãos (Paquistão) por seu Programa Aagahi de Alfabetização de Adultos, que conduz avaliações de necessidades educacionais digitais e oferece serviços de ensino para mulheres e meninas fora da escola; e o Fundo FunDza de Alfabetização (FunDza Literacy Trust (África do Sul), um grupo sem fins lucrativos dedicado a melhorar as taxas de alfabetização entre adolescentes e jovens adultos.

O AdulTICo ajudou milhares de idosos em Armênia, Colômbia, a desenvolverem habilidades que os conectam com o mundo moderno. “Superar o analfabetismo em novas tecnologias abre uma série de oportunidades para muitos de nós, como manter contato com nossos parentes no exterior”, declarou Rosa Barragán, uma de seus estudantes mais experientes.

O Programa Aagahi oferece educação para os menos privilegiados, incluindo mulheres e meninas. A palavra aagahi, em urdu, uma das línguas oficiais do Paquistão, significa “tomar consciência”.

O Fundo FunDza vê a educação como a base para uma sociedade saudável, e a alfabetização como central para esse processo. Ele desenvolve a alfabetização pela ampliação da comunidade de leitores e escritores entre o seu público-alvo. Ele apresenta os seguintes programas de divulgação: popularizar a leitura oferecendo livros impressos para jovens; aumentar a comunidade de leitores usando telefones celulares, entre outros; desenvolver jovens escritores por meio de sua seção Fanz; e oferecer um currículo online que aprofunde a prática de leitura.

Durante meio século, os Prêmios Internacionais de Alfabetização da UNESCO reconheceram indivíduos e organizações civis que alcançaram objetivos de excelência e inovação no campo da alfabetização. Mais de 475 projetos e programas foram reconhecidos desde 1967.