Building peace in the minds of men and women

Ideias

Você me pergunta o que é o exílio…

courier_exil-infocus_01.jpg

Uma escultura de bronze da série “Les Voyageurs”, do artista francês, Bruno Catalano.

As palavras de artistas exilados, ditas por meio de nossas colunas

“O exílio é sempre uma deficiência. Porém, a distância permite que você olhe para o seu próprio país, seu passado, sua história, a partir de um ponto de vista ligeiramente estrangeiro. Quando falamos sobre o nosso lar, nós tendemos a hesitar, a nos guiar pelo sentimento. É um processo delicado que pode sair do nosso controle a qualquer momento. Talvez tenhamos mais sensibilidade. Às vezes, você escolhe ficar em silêncio e permitir que outras pessoas o interpretem”.

Abderrahmane Sissako, diretor de cinema mauritano, The UNESCO Courier, 2000-10

 

“O exílio se torna difícil quando a solidão se estabelece, uma solidão que tem mais a ver com a memória de algo essencial enraizado em nós mesmos do que com recordações comuns. Do contrário, eu não vejo o exílio como doloroso, porque ele não significa apenas abandonar o lar para ir para outro lugar, mas também significa avançar em direção a si mesmo, decidir conhecer-se e viver em e com você mesmo. Após passar por suas próprias atribulações e momentos de deslumbramento, você precisa descobrir sobre os outros, mas o mais essencial é o autoconhecimento. O exílio, então, se torna uma missão, uma expedição pelo espaço interior alheio, no curso do qual é preciso, acima de tudo, nunca cair na tentação de querer descrever o outro à sua própria imagem, sob o pretexto de uniformizar certos detalhes”.

Edouard J. Maunick, poeta mauritano, The UNESCO Courier, 1994-3

 

“Por muito tempo, eu viajei, com a alma e o coração em paz, dizendo a mim mesma que poderia voltar para casa quando eu quisesse. As coisas mudaram com a crise costa-marfinense. Eu tive a impressão de que a porta se fechou de repente, me deixando de fora. Eu achei difícil entender o que estava acontecendo, como havíamos chegado a esse ponto. Eu me senti alienada, como se tudo tivesse de ser iniciado novamente. O exílio começa quando você não pode mais voltar para o país que deixou para trás, quando o caminho de volta se torna penoso”.

Véronique Tadjo, escritora e pintora costa-marfinense, The UNESCO Courier, 2008-2

 

“Você me pergunta o que é o exílio... Anos atrás, em uma esquina tranquila de Cabul, eu li a tradução persa de O homem de Cabul, um conto de Rabindranath Tagore. Com suas palavras mágicas, esse talentoso escritor indiano me fez descobrir a dor do exílio [...] Eu, que estava protegida da miséria e que conhecia a guerra apenas pelos livros, também me vi protegida do exílio... até o fim dos meus dias. Naquela época, eu não sabia que um dia, por fim, a mão injusta da história transformaria todos os afegãos no homem de Cabul de Tagore. Que a loucura da história iria dividir uma nação inteira e dispersar os afegãos pelos quatro cantos do mundo, longe de seus pais, mães, filhos, irmãs e irmãos. À minha volta, eu não conheço uma família sequer que foi poupada do tormento do exílio, e que, mesmo sem ter lido Tagore, não viveu a história do homem de Cabul e não sentiu a sua dor por dentro”.

Spôjmaï Zariâb, escritora afegã, The UNESCO Courrier, 2008-2

 

“Quando você está exilado, você não tem mais uma identidade. Seja no Camboja ou na França, eu meio que estou em casa em qualquer lugar agora. Longe e perto de tudo. Eu me interesso por essa distância. Ela permite que você dê um passo para trás e veja adiante, que perceba a forma das coisas. O menor dos males para um exilado é conseguir usar isso”.

Rithy Panh, diretor de cinema cambojano, The UNESCO Courier, 2000-10

 

“Se o exílio é um teste de iniciação, ele é também um teste da verdade. Ele implica a perda das ilusões e do mundo de desejos enganosos e das aparências, e faz com que se atinja um tipo de lucidez. Ele significa aprender a separar o joio do trigo descartando a falsa tolerância, que produz uma aparência de paz interior, em favor da tolerância real, que requer uma imersão de si mesmo no universal [...] O exílio involuntário se tornou, no meu caso, um exílio voluntário em busca de coisas passadas e do renascimento espiritual. Aceitar já é realizar um retorno, pelo menos para si mesmo”.

Bujor Nedelcovici, romancista, ensaísta e roteirista romeno, The UNESCO Courier, 1996-10

 

LEIA MAIS:

Exilio y novela: Luis Sepúlveda El Correo de la UNESCO 1998-6 

Chinua Achebe: un incómodo exilio El Correo de la UNESCO 2001-6