Educação em saúde e bem-estar para os povos indígenas do Brasil

As Nações Unidas e a UNESCO desenvolvem ações de educação em saúde e bem-estar para populações indígenas de forma pedagógica, multilíngue e intercultural. Seu proposito é o fortalecimento da educação em saúde dos povos indígenas em sua língua materna, ao mesmo tempo em que subsidia profissionais de educação e de saúde sobre as ações de promoção à saúde, em especial neste momento de crise sanitária com ações de prevenção à COVID-19 e a infecções sexualmente transmissíveis (IST), nas escolas indígenas e nos contextos comunitários onde estão situados.

Possibilitando aos povos indígenas o acesso a informações sobre as formas de prevenção e tratamentos terapêuticos da COVID-19 e IST/HIV/AIDS e hepatites virais, essa parceria pretende cooperar para a implementação das políticas que asseguram os direitos dos povos indígenas à atenção qualificada à saúde e a educação formal intercultural, configurada pela prática do ensino bilíngue – português e línguas indígenas – e pelos processos próprios de aprendizagem.

Por meio do respeito e do reconhecimento dos saberes, das práticas e dos cuidados indígenas, pretende-se contribuir para o combate ao estigma e ao preconceito vivenciado por esses povos e para a manutenção da sua integridade física e sociocultural.

O respeito à diversidade e às especificidades socioculturais é fundamental para combater preconceitos e quaisquer formas de discriminação e violência. Nesse sentido, as representações dos povos indígenas sobre processos de adoecimento e de cura devem ser levadas em consideração na elaboração de políticas voltadas para essa população, inclusive na área de saúde. Em um contexto marcado pela pandemia do novo coronavírus, esses materiais têm como objetivo colaborar na difusão de informações que contribuam para um diálogo respeitoso com cada um desses povos, com os quais temos muito a aprender.  

Diálogo intercultural entre conhecimento e prática

Os vídeos a seguir mostram a experiência com os Warao na fronteira Brasil e Venezuela no diálogo intercultural entre os saberes e práticas indígenas e os conhecimentos oferecidos pelos serviços de educação e saúde. Os vídeos foram produzidos na língua Warao para preservar seu conhecimento e patrimônio imaterial linguístico, e contêm legendas em português ou espanhol.

 

Educação em saúde e bem-estar para a comunidade Warao

Direito à educação para a comunidade Warao

 

Prevenção à COVID-19 na perspectiva de diálogo intercultural com os Warao

Prevenção ao HIV/Aids na perspectiva de diálogo intercultural com os Warao

Prevenção à hepatite na perspectiva de diálogo intercultural com os Warao

Prevenção à sífilis na perspectiva de diálogo intercultural com os Warao

 

Prevenção à COVID-19 e vacinação para os povos indígenas

O processo de elaboração desses vídeos de prevenção à COVID-19 foi realizado segundo a metodologia do diálogo intercultural e de forma participativa, e envolveu sete etnias indígenas presentes na Amazônia e em Roraima: Wapichan, Ticuna, Yanomami, Ye’kwana, Ticuna, Yanomami, Ticuna, Macuxi, Taurepang.

 

Indígena Ana da Silva Ribeiro da comunidade Wapichan

Indígena Dario da comunidade Ticuna

Indígena Dario Vitório Kopenawa Yanomami, vice-presidente da Associação Yanomami

Indígena Edmilson Magalhães da comunidade Ye’kwanai

Indígena Elayna Campos Manduca, da comunidade Ticuna de Umariaçu II

Indígena Enio Mayanawa da comunidade Yanomami

Indígena Keila Jorge da comunidade Ticuna de Umariaçu II

Indígena Lenize Amaro da comunidade Macuxi

Indígena Marivel Alves Flores da comunidade Taurepang

Saúde, educação e interculturalidade: diálogo com povos indígenas

Este vídeo e os cadernos que o acompanha fazem parte da “Série Javari: educação preventiva para DST/HIV/Aids e hepatites virais para povos indígenas do Vale do Javari" (Amazônia). Este material é seguimento de um workshop realizado no Vale Javari para apoiar professores nas áreas Marubo, Matis e Mayoruna (Matsés) e suas ações de prevenção de doenças nas escolas indígenas, assim como em comunidades locais.

Mais recentemente, a UNESCO no Brasil, em parceria com o UNAIDS, começou a publicar a série bilíngue "Educação em saúde e bem-estar para populações indígenas", que está extendendo a educação em saúde e bem-estar para comunidades indígenas em outras regiões da Amazônia. O volume um é dedicado à comunidade indígena Ticuna.

Série Educação em saúde e bem-estar para populações indígenas

Contato: brz-publications@unesco.org