Idea

Economias verdes, um baluarte contra a COVID-19 para as comunidades do Lago Chade

15/04/2020
03 - Good Health & Well Being
06 - Clean Water and Sanitation
15 - Life on Land

A COVID-19 está causando uma onda de choque em todo o mundo e agora é a preocupação número um da comunidade internacional. É fundamental e legítimo se concentrar na situação atual da pandemia, mas não devemos esquecer as suas causas principais. Também é essencial pensar agora sobre a pós-crise, a fase de "reconstrução", que deve abranger não apenas questões de saúde, econômicas e sociais, mas também do meio ambiente.

Em 2019, quando o relatório IPBES Global Assessment Report on Biodiversity and Ecosystem Services foi publicado, demonstrou-se pela primeira vez que as atividades humanas eram responsáveis pela destruição de 75% dos ecossistemas terrestres. Grandes ecossistemas naturais são fragmentados ou destruídos para dar lugar a atividades econômicas humanas que invadem o habitat de espécies centenárias, levando à superlotação que é prejudicial para todos. Por exemplo, no caso da epidemia de SARS em 2003, foi cientificamente comprovado que a civeta era o animal hospedeiro intermediário e o reservatório natural do vírus. No caso da COVID-19, nada ainda pode ser confirmado, mas um consenso entre os pesquisadores parece girar em torno do pangolim e de outro hospedeiro intermediário, o morcego, que é conhecido por ser um reservatório do vírus. Um artigo científico publicado por Zhang et al. (2020) em fevereiro na revista BioRxiv revelaram que o SARS-CoV-2 compartilha 91,02% de seu genoma com cepas isoladas de pangolins (1). Deve-se lembrar que este animal altamente valorizado na Ásia é a espécie mais caçada do mundo, com 100 mil indivíduos capturados por ano.

Por fim, devemos lembrar que, no caso da febre ebola, cujo hospedeiro intermediário é o morcego, os grandes símios, nossos primos mais próximos, foram contaminados e as populações foram dizimadas, às vezes em até 95%.

A aproximação de espécies provoca grande pressão sobre a biodiversidade e seus habitats naturais e favorece o surgimento de zoonoses como a COVID-19. Portanto, é necessário tomar consciência sobre esses mecanismos agora e extrair as consequências para evitar uma nova tragédia. Mais do que nunca, precisamos repensar nosso vínculo com a natureza.

Por quase 50 anos, a UNESCO, por meio de seu Programa O Homem e Biosfera (MAB), está na vanguarda e promove a necessidade de garantir que as atividades humanas não prejudiquem a natureza e que elas sejam interconectadas de uma maneira não apenas neutra, mas positiva. As Reservas da Biosfera desempenham um papel fundamental nesse sentido.

As Reservas da Biosfera são laboratórios de interação harmoniosa entre pessoas e natureza, permitindo avanços nas ciências e no conhecimento tradicional. Elas facilitam o compartilhamento de conhecimentos, promovem a interação da ciência com a sociedade e ajudam a trazer melhorias concretas para a vida das populações locais

Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO

Como podemos ajudar os países nessa reconstrução econômica, social e ambiental?

 

O projeto BIOsfera e Patrimônio do Lago Chade (BIOPALT) fornece algumas soluções possíveis. O projeto promove a salvaguarda do Lago Chade e a gestão sustentável dos recursos naturais em favor da paz e do desenvolvimento das comunidades, especialmente de mulheres, jovens e povos indígenas.

Nesse contexto, a UNESCO está comprometida com essas comunidades do Lago Chade, que estão entre as mais pobres do planeta, e aplica os princípios do Programa MAB na implementação de atividades de geração de renda (AGRs) baseadas na economia verde. Essas atividades estão ajudando a mitigar os impactos socioeconômicos esperados pela crise da COVID 19.

No Níger, essas AGRs fortalecem a resiliência socioeconômica de quase 30 mil pessoas, incluindo 13 mil mulheres.

Combate ao desmatamento e à extração de petróleo de Balanites aegyptiaca para o benefício de jovens e mulheres da vila de Boulangou Yakou na comuna urbana de Diffa.

A palmeira balanita, ou tâmara do deserto, é uma árvore característica da região do Lago Chade, com múltiplas virtudes e fortemente presente na cultura local. Ela retarda a erosão do solo e é usada como alimento e remédio nas comunidades. Apesar deste importante papel ecológico, ela não é poupada pelo flagelo do desmatamento. O projeto BIOPALT apoiou a organização de 12 campanhas de conscientização para a proteção da espécie, a realização de dois inventários florísticos, a criação e o treinamento de um comitê de proteção ambiental da aldeia, o treinamento de 90 pessoas e o equipamento de 45 mulheres para a produção de óleo de balanita. Mais de 450 litros de óleo são produzidos a cada mês. A atividade está gerando uma renda adicional de quase US$ 19 mil por ano para as 45 mulheres que se beneficiaram nesses dois primeiros anos do projeto, o que é significativo para pessoas que vivem com menos de US$ 2 por dia. Espera-se a atividade aumente ainda mais.

"A produção e a venda de óleo de balanita mudou minha vida. Isso me permite ser mais autossuficiente e atender às necessidades básicas da minha família. Estou muito satisfeita", diz Salamatou, uma mulher da vila de Boulangou Yakou que se beneficia do projeto.

Desenvolvimento da Lagoa de Djonaha para o benefício das comunidades pesqueiras de Diffa

Essa lagoa, com uma superfície de 5 km² e 1 a 4 metros de profundidade, é um "pulmão econômico" para milhares de pessoas na região de Diffa, que tem uma população de mais de 300 mil habitantes. Além de proporcionar renda aos pescadores, permite o desenvolvimento de AGRs vinculadas à horticultura e à exploração de árvores frutíferas. Sua rica biodiversidade é ilustrada pela presença de várias espécies de peixes, algumas das quais com alto valor de mercado, como a tilápia. No entanto, a lagoa estava sujeita a um problema de assoreamento e invasão por Typha australis, o que poderia levar ao seu desaparecimento. O projeto BIOPALT apoia as comunidades locais no corte de 5 hectares de Typha australis, no plantio de 5 mil plantas de Bauhina rufescens na forma de cercas vidas para combater a erosão eólica, no armazenamento de 20 mil metros cúbicos de água com 3 mil alevinos, no treinamento de 50 pessoas para a produção das plantas e o manejo sustentável da lagoa. Essas atividades beneficiam quase 22 mil pessoas, incluindo 9,5 mil mulheres. A renda anual da atividade pesqueira é de cerca de US$ 35 mil.

Criação de uma fazenda de forragem (alfafa) para a preservação da raça endêmica de gado kouri na aldeia de Matardé

O gado kouri é uma espécie endêmica da região do Lago Chade, que confere prestígio e é motivo de orgulho para os criadores, além de manter uma tradição secular de nomadismo fortemente enraizada na identidade cultural das comunidades locais. No entanto, esta espécie está enfraquecida pelo encolhimento do lago, que não resiste às dunas e às áreas áridas resultantes da seca causada pela mudança climática. Além disso, a frágil situação de segurança nas ilhas do lago está fazendo com que os pastores se retirem para suas margens. O projeto BIOPALT apoia o treinamento de 100 pessoas nas técnicas de produção, exploração e comercialização da alfafa que serve de alimento para os rebanhos, a construção e a equipagem de uma fazenda de forragem em 5 hectares e a conscientização sobre a prevenção de conflitos entre agricultores e criadores relacionados ao acesso às pastagens. Graças a essa fazenda, a produção de leite aumentou (10 l / dia / vaca), o que oferece mais oportunidades para a venda de subprodutos (manteiga e leite coalhado), principalmente pelas mulheres. O mesmo vale para o valor de mercado da vaca kouri, que chega a US$ 1.100 por unidade. Quase 5 mil pessoas se beneficiam dessa atividade.

Eden/Alexandra Dixon

Repensar nossas relações com a natureza

 

Essas diversas economias verdes administráveis em âmbito local com ciclos simples e curtos são exemplos de soluções baseadas na natureza que contribuem para a conservação da biodiversidade, para a redução da pobreza e para o desenvolvimento sustentável na área do Lago Chade, onde os meios de subsistência e segurança das comunidades estão intimamente ligados aos seus recursos biológicos circundantes. Serão um baluarte para suportar melhor as consequências econômicas da COVID-19 e para evitar tais crises no futuro.

Essa crise de saúde nos mostra que a degradação ambiental e a "predação" humana da biodiversidade, se continuarem a ser permitidas, levarão a humanidade a um futuro cada vez mais sombrio e incerto. Esse fato inevitável, como o da mudança climática, deve permanecer no centro de nossas reflexões, mesmo quando o perigo acaba. Na fase de "reconstrução", os países terão de integrar totalmente, por quase meio século, a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento humano, conforme preconizado pelas abordagens do Programa MAB e das Reservas da Biosfera.

O Lago Chade e sua bacia são os "pulmões econômicos e ecológicos" de mais de 45 milhões de mulheres, homens e crianças. Compartilhado por Camarões, Níger, Nigéria, República Centro-Africana e Chade, a área possui uma biodiversidade excepcional, simbolizada pela presença de reservas da biosfera, sítios do Patrimônio Mundial e zonas úmidas de importância internacional (sítios de Ramsar). A região é o berço de uma civilização de mil anos e um formidável elemento unificador entre as comunidades do Norte da África e as do sul do Saara. Sempre foi um lugar onde as culturas convergiram e se misturaram. Nas últimas quatro décadas, a área de superfície do Lago Chade diminuiu consideravelmente, em mais de 90% entre 1960 e 1985 devido à  queda do nível das chuvas, que não foi compensado pelo aumento dos níveis de água observados desde a década de 2000. Isso levou a desequilíbrios significativos e a um enfraquecimento dos ecossistemas. A região enfrenta outros desafios ambientais, como conservação da biodiversidade, desmatamento, seca, desertificação e degradação da terra. Além dessa crise ambiental, há uma crise humanitária e de segurança marcada pelo aumento do extremismo violento e pela significativa migração populacional . Em resposta a esta situação, a UNESCO e a Comissão da Bacia do Lago Chade uniram forças para implementar o projeto BIOPALT, com financiamento do Banco Africano de Desenvolvimento por meio de recursos do African Development Fund (ADF). Este projeto foi lançado em 2018 por um período de três anos. Atividades de geração de renda baseadas em economias verdes no Níger são implementadas em parceria com o Programa de Pequenas Subve"nções do PNUD.

Contatos:

Referências:

  • (1) Zhang T., Wu Q. et Zhang Z. 2020. Pangolin homology associated with 2019-nCoV. BioRxiv (2020)

Direitos autorais:

  • Fotos 1, 2, 3, 4, : UNESCO/Abou Hadamou
  • Foto 5: Hamissou Garba
  • Capa: CBLT