News

Nenê do Zap: interação afetiva na Primeira Infância é tema de live promovida pela UNESCO e Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal

06/08/2020
03 - Good Health & Well Being

Encontro virtual reuniu especialistas e artistas para debater como adultos podem contribuir para um crescimento saudável e um universo infantil positivo

Um personagem lúdico e animado, que dá dicas por WhatsApp sobre o vínculo afetivo durante a Primeira Infância e sua importância para o desenvolvimento cognitivo e emocional. Esse é o Nenê do Zap, criado pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal e que tem se aproximado cada vez mais das famílias que, durante a pandemia, estão tendo que lidar com o fechamento de escolas e creches e por vezes a falta de uma rede de apoio. Foi com esse cenário que a Fundação e a UNESCO no Brasil organizaram ontem (6) um bate-papo virtual para discutir experiências, dividir conselhos e estimular os participantes a entender a Primeira Infância como um período especial. 

Participaram do encontro a Diretora e Representante da UNESCO no Brasil, Marlova Noleto; a CEO da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, Mariana Luz; a pediatra e professora associada da Faculdade de Medicina da USP, Dra. Ana Escobar; a psicóloga, Fernanda Lopes; além dos atores Bruno Gagliasso e Dira Paes, que compartilharam suas experiências sobre como a pandemia vêm mudando suas rotinas e as interações com seus filhos. 

Durante o bate-papo, a Dra. Ana Escobar deu dicas sobre como as famílias devem cuidar das crianças durante a pandemia e explicou que a arquitetura cerebral da criança se forma nos dois primeiros anos de vida. “Os bebês acima de dois anos devem usar máscara para se proteger, manter o distanciamento social, lavar sempre as mãos. E para os pais, um conselho. Aproveitem esse tempo durante a quarentena para fortalecer a relação com seus filhos. É uma oportunidade de ouro”. 

Marlova Noleto falou sobre o trabalho da Organização com o desenvolvimento infantil desde os primeiros anos de vida. “A Primeira Infância é um momento único. Sou filha de um pediatra, e ele sempre me estimulou muito a ler, cantar, conversar. Acredito que todo o investimento dedicado por pais e mães desde a gestação e a partir do nascimento tem um papel primordial no nosso futuro”, afirmou.

De acordo com Mariana Luz, é preciso uma interação positiva, criada a partir de histórias, músicas e conversas entre pais e bebês nessa época de vida, para mudar o mundo. “Evidências mostram que a maior parte das conexões cerebrais ocorrem do nascimento até os seis anos de idade. São cerca de 1 milhão de conexões por segundo. Isso determina quem aquela criança será no futuro, não apenas para ela, mas para a família e as pessoas que a cercam”. 

O encontro virtual foi transmitido com interpretação em Língua Brasileira de Sinais (Libras) e pode ser acessado no canal da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal no YouTube.