Idea

Webinar COVID-19: um novo mundo para professores, trabalhadores da linha de frente da educação

30/03/2020

From one day to the next, teachers around the world have found themselves managing virtual classrooms, communicating with their students over social media platforms and learning by doing as they provide education from a distance to over 1.5 billion students affected by school closures due to the Covid-19 pandemic.

On 27 March, UNESCO dedicated its second Covid-19 education response webinar to those on the frontlines of ensuring learning continuity: some 63 million affected teachers in 165 countries, along with education personnel. Bringing together participants from all regions, the seminar shed light on a wide range of issues, from the provision of training and support for teachers to the challenge of distance teaching in remote or rural areas with weak or no internet connectivity.

Chairing the webinar attended by 159 participants from 33 countries, Ms Yumiko Yokozeki, Director of the UNESCO Institute for Capacity Building in Africa framed the entirely new context in a positive light, while underscoring the importance for governments to support their teachers.  “As necessity is the mother of invention, this situation may become an opportunity for teachers and learners to become more empowered, creative and innovative,” she said.

Participants related how the suddenness of school closures took most by surprise. In Uganda, teachers prepared take home packages for students in a day. In the Netherlands, the entire curriculum went digital in 48 hours. In the Philippines, the Department of Education launched its DepEd Commons platform ahead of the planned date.

Delivering quality education despite many challenges

“One of the biggest challenges we are facing is how to keep children on board,” said Ms Anne-Fleur Lurvink, who teaches at a school in Rotterdam (Netherlands) where students come from very diverse backgrounds. “Teaching children at a disadvantage runs the risk of losing many. Home situations don’t always allow them to participate in lessons,” she said. The government has put in place measures to provide laptops and wifi for families without digital access while teachers from her school call parents on a weekly basis to keep in touch.

The experience has been a steep learning curve: “We have accomplished something with digital education that would have taken years,” said Ms Lurvink. “Teachers are being very supportive of each other and creating strong networks, and societies are pitching in to support teachers,” she said, while emphasizing that nothing can replace what schools bring beyond transmitting information, from safety to emotional well-being.

Governments are all stepping up efforts to provide training and resources to support teachers in adapting to this new learning environment.

In France, Réseau Canopé, the national education operator, provides free content for teachers, parents, and learners, including animated films, apps and user friendly tools, as well as tutorials and other resources to support teachers, reported Ms Marie-Caroline Missir, Managing Director of Canopé. Mr Miguel Cruzado Silverii, Director-General for Teacher Development at the Ministry of Education in Peru, indicated that the government released three Massive Open Online Courses (MOOCs) to train teachers to shift to online teaching.

Are teachers ready to move instruction online?

Turning teaching materials into digital format at short notice has been a challenge as few teachers have strong digital and ICT skills. In many countries in South West Asia and sub-Saharan Africa only about 20% or often fewer households have internet connectivity at home, let alone personal computers.

In Peru, Mr Cruzado Silverii reported that just “35% of teachers have access to a computer and internet connectivity.” The ministry therefore chose to use low-tech solutions such as television and radio channels to provide classes and content to students as well as online platforms such as Aprendo en casa.

In Cameroon, Dr Michael Nkwenty Ndonfack, Pedagogical Inspector for Computer Science and ICTs at the Ministry of Basic Education, reported that only 20-25% of teachers have internet access and that the majority of teachers lack ICT skills. A national government Task Force was set up to establish the Protective Learning Routine to enable teachers and learners to access education through platforms they are already familiar with, such as radio and TV.

In Uganda, the government is relying on the UNESCO-Chinese Funds-in-Trust programme which has established a robust teacher training system country-wide. Teacher training institutions have been deployed to deliver capacity-building workshops for teachers without ICT skills via one of the programme’s three ICT hubs.

Teacher wellbeing is key

In such unprecedented and uncertain times, it is normal for people to experience higher levels of stress and anxiety, teachers included. Teachers need socio-emotional support to face the extra pressure being put on them to deliver learning in a time of crisis as well as support their students’ emotional needs. In the Philippines, Ms Jennifer Lopez from the Department of Education reported that salaries for March and April were being released early and that all teacher performance reviews have been suspended while under the emergency state. Teaching staff and education personnel still in schools will receive a bonus hazard pay and clothing allowance.

In Uganda, Dr Jane Egau Okou, Commissioner for Teacher Instructor Education and Training, reported that the ministry ensured timely payment of salaries so that teachers can stock essentials and focus on their mission with no additional worries.

Protect, support and recognize teachers

In her concluding remarks, Ms Gerd-Hanne Fosen, the Co-Chair of the International Task Force on Teachers for Education 2030 emphasized the need for policies to remain focused on the most marginalized, those who do not have access to technology or who do not have a supportive home environment. The Teacher Task Force has launched a “Call for Action” on all governments, education providers and funders – public and private – to protect teachers in this difficult time and to recognise the critical roles they play in the COVID-19 response and recovery. All participants are encouraged to support the six action points highlighted in the call.

UNESCO has also launched a Global Education Coalition to facilitate inclusive learning opportunities for children and youth during this period of sudden and unprecedented educational disruption.

De um dia para o outro, professores de todo o mundo se viram administrando salas de aula virtuais, comunicando-se com seus estudantes por plataformas de mídias sociais e aprendendo na prática a fornecer educação a distância para mais de 1,5 bilhão de estudantes afetados pelo fechamento de escolas devido à pandemia da COVID-19.

Em 27 de março, a UNESCO dedicou seu segundo webinar de resposta da educação à COVID-19 àqueles que estão na linha de frente para garantir a continuidade da aprendizagem: cerca de 63 milhões de professores afetados em 165 países, juntamente com outros profissionais da educação. Reunindo participantes de todas as regiões, o seminário virtual esclareceu uma ampla gama de questões, desde a oferta de treinamento e apoio aos professores até o desafio do ensino a distância em áreas remotas ou rurais com pouca ou nenhuma conectividade à internet.

Ao presidir o seminário online com 159 participantes de 33 países, Yumiko Yokozeki, diretora do Instituto de Capacitação da UNESCO na África, enquadrou esse contexto inteiramente novo sob uma luz positiva, ao mesmo tempo em que ressaltou a importância de os governos apoiarem seus professores. “Como a necessidade é a mãe da invenção, esta situação pode ser uma oportunidade para que professores e estudantes se tornem mais empoderados, criativos e inovadores”, disse ela.

Os participantes relataram como o súbito fechamento das escolas os pegou de surpresa. Em Uganda, em um dia, os professores preparam pacotes para os estudantes levarem para casa. Nos Países Baixos, todo o currículo se tornou digital em 48 horas. Nas Filipinas, o Departamento de Educação lançou sua plataforma DepEd Commons antes da data planejada.

Oferecimento de educação de qualidade apesar dos muitos desafios

“Um dos maiores desafios que estamos enfrentando é como manter as crianças envolvidas”, disse Anne-Fleur Lurvink, que leciona em uma escola em Roterdã (Países Baixos), onde os estudantes têm origens muito diversas. “Ao ensinarmos crianças em desvantagem, corremos o risco de deixar de lado muitas delas. As situações domésticas nem sempre permitem que elas participem das aulas”, disse ela. O governo adotou medidas para fornecer laptops e wi-fi para famílias sem acesso digital, e os professores de sua escola ligam semanalmente para os pais, para manter contato.

A experiência fez uma curva acentuada na aprendizagem: “Com a educação digital, nós realizamos algo que levaria anos”, disse Anne-Fleur. “Os professores estão apoiando muito uns aos outros e criando redes robustas; da mesma forma, as sociedades estão se empenhando para apoiar os professores”, disse ela, ao enfatizar que nada substitui o que as escolas proporcionam além da transmissão de informações, da segurança ao bem-estar emocional.

Os governos estão intensificando os esforços para fornecer treinamento e recursos para apoiar os professores na adaptação a esse novo ambiente de aprendizagem.

Na França, a Réseau Canopé (literalmente, Rede de Cobertura), a operadora nacional de educação, fornece conteúdo gratuito para professores, pais e estudantes, como filmes animados, aplicativos e ferramentas fáceis de se usar, além de tutoriais e outros recursos para apoiar os professores”, relatou Marie-Caroline Missir, diretora administrativa da Canopé. Miguel Cruzado Silverii, diretor-geral de desenvolvimento de professores do Ministério da Educação do Peru, indicou que o governo lançou três cursos online massivos abertos (MOOCs) para treinar professores a mudar para o ensino online.

Os professores estão prontos para mudar para o ensino online?

A adaptar e a criação de materiais didáticos para o formato digital em curto prazo têm sido desafios, pois poucos professores têm fortes habilidades digitais e de tecnologia da informação e comunicação (TIC). Em muitos países do sudoeste da Ásia e da África Subsaariana, apenas cerca de 20% ou menos das famílias possuem conectividade com a internet em casa, tampouco possuem computadores pessoais.

No Peru, Cruzado Silverii informou que apenas “35% dos professores têm acesso a computadores e conectividade com a internet”. Por essa razão, o ministério optou por usar soluções de baixa tecnologia, como canais de televisão e rádio, para fornecer aulas e conteúdos aos estudantes, bem como plataformas online, como a Aprendo en Casa.

Na República de Camarões, o dr. Michael Nkwenty Ndonfack, inspetor pedagógico em Ciência da Computação e TIC no Ministério de Educação Básica, declarou que apenas 20% a 25% dos professores têm acesso à internet e que a maioria deles não possui habilidades em TIC. Foi criada uma força-tarefa do governo nacional para estabelecer a Rotina de Aprendizagem de Proteção, para permitir que professores e estudantes acessem a educação por meio de plataformas com as quais já estão familiarizados, como rádio e TV. 

Em Uganda, o governo está contando com o programa UNESCO-Chinese Funds-in-Trust, que está estabelecendo um robusto sistema de treinamento de professores em todo o país. A instituições de ensino de formação docente foram designadas a oferecer oficinas de capacitação para professores sem habilidades em TIC por meio de um dos três hubs de TIC do programa.

O bem-estar dos professores é fundamental

Em momentos incertos e sem precedentes como este, é normal que as pessoas, incluindo os professores, tenham níveis maiores de estresse e ansiedade. Os professores precisam de apoio socioemocional para enfrentar a pressão extra exercida sobre eles para oferecer ensino e aprendizagem em tempos de crise, além de apoiar as necessidades emocionais de seus estudantes. Nas Filipinas, Jennifer Lopez, do Departamento de Educação, informou que os salários de março e abril estavam sendo liberados mais cedo e que todas as análises de desempenho dos professores foram suspensas durante o estado de emergência. O corpo docente e o pessoal da educação que ainda estão nas escolas receberão um adicional de periculosidade e um subsídio de vestuário.
Em Uganda, a dra. Jane Egau Okou, comissária para Educação e Treinamento de Formadores de Professores, informou que o ministério garantiu o pagamento pontual de salários, para que os professores possam estocar itens essenciais e se concentrar em sua missão sem preocupações adicionais.

Proteger, apoiar e reconhecer os professores

Em suas considerações finais, a Gerd-Hanne Fosen, o copresidente da Força-Tarefa Internacional de Professores para a Educação 2030 (International Task Force on Teachers for Education 2030), enfatizou a necessidade de as políticas permanecerem concentradas nos mais marginalizados, aqueles que não têm acesso à tecnologia ou que não têm um ambiente doméstico favorável. A Força-Tarefa de Professores lançou um “Apelo à ação” destinado a todos os governos, provedores de educação e patrocinadores – públicos e privados – para proteger os professores neste momento difícil e reconhecer os papéis fundamentais que eles desempenham na resposta e na recuperação da pandemia COVID-19. Todos os participantes foram encorajados a apoiar os seis pontos de ação destacados no apelo: six action points highlighted in the call.

A UNESCO também lançou a Coalizão Global de Educação, para facilitar as oportunidades de aprendizagem inclusiva para crianças e jovens durante este período de interrupção educacional súbita e sem precedentes.